Widget Image
Secretarias
23/08/2017
HomeCulturaRestos mortais do Maestro Elias Lobo são trazidos para Itu

Restos mortais do Maestro Elias Lobo são trazidos para Itu

Cerimônia de traslado dos despojos do maestro contará com Breve Missa de Réquiem apresentada pela primeira vez desde o século XIX

No dia 09 de agosto, quando é comemorado o 180º aniversário de nascimento do compositor ituano mastro Elias Álvares Lobo, acontece a cerimônia de traslado dos despojos do maestro, sua esposa Isabel de Arruda Lobo e sua filha Teresa Lobo de Camargo que estavam na capital paulista.

A cerimônia terá início na Igreja do Bom Jesus, às 15h, com a chegada dos despojos, solene Ofício de Réquiem com participação do Coral Vozes de Itu e orquestra Maestro Tristão Mariano com a Breve Missa de Réquiem de Elias Álvares Lobo.

Já a partir das 17h, no Cemitério Municipal, serão realizadas as homenagens ao compositor e solene inumação com a participação da Corporação Musical União dos Artistas com a execução da Marcha Fúnebre.

A realização do traslado dos restos mortais da família do compositor Elias Álvares Lobo é uma realização da Prefeitura de Itu, Câmara de Vereadores, família Álvares Lobo, Instituto Cultural de Itu, Museu da Música de Itu e Academia Ituana de Letras.

Órfão ainda criança começou seus estudos graças ao suporte do Padre Diogo Antônio Feijó. No tempo em que viveu no Rio de Janeiro, lecionava aulas de piano tendo como a mais famosa de suas alunas, Chiquinha Gonzaga.

Em 1858 compôs a ópera “A noite de São João”, sobre texto de José de Alencar, considerada a primeira ópera escrita e estreada no Brasil, foi encenada no Teatro São Pedro de Alcântara (1860), sob a regência de Carlos Gomes.

A Breve Missa de Requiem do compositor ituano, restaurada pelo Museu da Música em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, é uma composição sacra especialmente composta em memória de alguém. É uma peça curta, cujo texto tradicional católico foi musicado para coro a três vozes, pequena orquestra e harmonium.

A palavra Réquiem significa descanso e a obra foi escrita para a celebração dos mortos e será apresentada pela primeira vez desde o século XIX.

Elias Álvares Logo faleceu em 15 de dezembro de 1901 na cidade de São Paulo.

Renata Guarnieri/Prefeitura de Itu